O uso de métodos criativos nas ciências sociais

Por Jussara Rowland

Entre os dias 6 e 8 de julho tive a oportunidade de participar na CASICS – Creative Methods for Research and Community Engagement Summer School, em Keele, no Reino Unido. O meu interesse por esta escola deve-se ao trabalho que tenho vindo a desenvolver enquanto membro da equipa do ICS-Ulisboa no projeto CUIDAR – Culturas de Resiliência à Catástrofe entre Crianças e Jovens. Um projeto europeu de investigação-ação participativa, no qual são utilizados um conjunto alargado de métodos criativos e participativos para promover, co-criar e comunicar as perspetivas, necessidades e capacidades das crianças junto de stakeholders dos setores da emergência e proteção civil.

Cuidar1
Exemplo de métodos criativos usados no projeto CUIDAR: roda das catástrofes (Loures, Portugal) e mapa participativo (Ancona, Itália). Fonte: Projeto CUIDAR

Nos últimos anos tem-se assistido a um interesse crescente pelo uso de métodos criativos nas ciências sociais. Estes incluem métodos visuais (e audiovisuais), artísticos, performativos, sensoriais, narrativos, mas também novos métodos digitais. Apesar da utilização de métodos criativos não ser um fenómeno recente, o interesse atual pelo tema deve-se, por um lado, à crescente difusão na sociedade contemporânea de uma cultura visual e multimédia que tem obrigado ao desenvolvimento de novos métodos de pesquisa orientados para este tipo de conteúdos. E, por outro, à “viragem participativa” das ciências sociais, atualmente mais direcionadas para uma investigação colaborativa e coproduzida, na qual é valorizado o envolvimento ativo dos participantes na criação e produção de dados. Continuar a ler

Anúncios

Fazer pesquisa num contexto de partido dominante: o caso de Moçambique

Por Edson Cortez

Neste pequeno artigo pretendo dar a conhecer as vicissitudes inerentes a conduzir investigação sobre a economia política de Moçambique e assuntos similares num ambiente em que os responsáveis por fontes escritas e orais têm receio de prestar declarações ou fornecer documentos que sejam fulcrais para que o investigador obtenha resposta às suas questões de pesquisa.

Mozambique_Maputo_Macamo
Maputo, capital e maior cidade de Moçambique. Fonte: Wikipédia

Moçambique é uma democracia de partido dominante, onde a Frente de Libertação de Moçambique—FRELIMO detém o controlo sobre o Estado, a economia, os recursos e parte da sociedade civil. Segundo o estudo “Os custos da corrupção para a economia moçambicana“,

Neste tipo de economia política, as elites dominantes que ocupam posições-chave no partido, na administração pública, militar e económica possuem uma tendência de manter o poder através da ‘reciclagem’, entre posições no partido, governo, instituições do Estado e parlamento, bem como na criação de ‘arranjos políticos’ no seio dos vários segmentos das elites governantes. Estas elites podem ser consideradas como sendo agentes que estão para se servirem a si próprios e que consolidam o poder organizando grupos de clientes, oferecendo-lhes determinados benefícios (financeiros, organizacionais, económicos, etc.) e acesso aos recursos em troca do seu apoio.

Continuar a ler

As ciências sociais como virtuosismo político e social: a epistemologia de Bent Flyvbjerg

Este é o quarto post da série “A utilidade das Ciência Sociais

Por Marco Allegra

Qual é a utilidade das ciências sociais? Qual o seu impacto na sociedade? E quais as opções (epistemológicas, metodológicas, políticas) disponíveis para o investigador maximizar este impacto – mantendo, ao mesmo tempo,  autonomia e a independência que muitos de nós associamos ao estatuto da ciência? Estas são algumas das perguntas essenciais  subjacentes ao recente post de Andy Inch neste blogue – seguido de um contributo de Simone Tulumello sobre “a ciência do possibilismo”.

Tive a oportunidade adicional de refletir sobre este tema durante o último seminário do nosso grupo de investigação. O debate que seguiu a apresentação sobre as metodologias quantitativas transformou-se, de facto, numa discussão sobre o processo de construção dos dados, a relação entre dados qualitativos e quantitativos, e as possibilidades de integração destes no desenho da pesquisa.

Neste post gostaria de continuar esta conversa encaixando-a numa perspetiva mais alargada – num discurso sobre os fundamentos epistemológicos das ciências sociais, a epistemologia sendo “o estudo do conhecimento e das crenças justificadas” e, mais em geral, “a criação e a disseminação do conhecimento em áreas de investigação específicas” (EpistemologyStanford Encyclopedia of Philosophy) – para depois voltar às questões levantadas por Andy descrevendo a proposta epistemológica de Bent Flyvbjerg sobre as ciências sociais como virtuosismo político e social. Continuar a ler

Recursos de ciências sociais na web: Redes Sociais

Autor: Luís Junqueira

Ao longo dos últimos anos, aplicações como o facebook ou linkedin contribuíram para popularizar o conceito de rede social. No entanto, no contexto das ciências sociais a ideia de rede social tem um significado mais abrangente. As redes sociais são um método de representar e organizar dados que pode ser utilizado para estudar uma grande diversidade de fenómenos sociais. Este texto tem o objetivo de servir como uma muito breve introdução ao uso de métodos baseados em redes nas ciências sociais e de apresentação de alguns recursos online para recolher e trabalhar em redes sociais.

O uso de redes como suporte de dados não é obviamente apropriado a todas as situações em ciências sociais. Mas nas situações em que é possível e desejável obter informação sobre as ligações entre os atores sociais envolvidos, o uso de redes apresenta alguns benefícios:

  • Simplifica a visualização de dados complexos. A disponibilidade de ferramentas que permitem manipular a representação de redes através de ajustamentos da posição, cor ou forma dos vértices e arestas facilitam a visibilidade dos elementos considerados relevantes, mesmo em redes densas ou de grande dimensão.
  • Permite que se alterne facilmente entre várias escalas. É possível passar de uma análise dos aspetos estruturais da totalidade da rede para uma análise de partes da mesma (em última instância até aos elementos individuais) mantendo uma ligação entre várias escalas.
  • Para todos os efeitos, uma rede é uma estrutura de dados. Os vértices e as ligações podem conter variáveis semelhantes às usadas habitualmente em trabalhos quantitativos em ciências sociais (género, idade, escolaridade, etc.) e que podem ser integradas na análise.
  • Graças à popularidade das plataformas associadas ao que é frequentemente denominado Web 2.0, assentes em práticas de maior interação e de participação dos utilizadores na produção de conteúdos, estão disponíveis novas fontes de dados que podem ser facilmente estruturados como redes. Análises baseadas em dados do twitter, facebook, wikipedia, etc. tornaram-se populares em algumas áreas das ciências sociais.

Continuar a ler