Clima e Energia: para uma Transição Enérgica e Justa

Por Luísa Schmidt

Em plena COP25 em Madrid, onde se irão definir novas metas para redução das emissões e novas metodologias para as atingir, convém reflectir sobre Portugal.

Alterações climáticas e transição energética são dois assuntos-chave que têm dado origem a políticas públicas e suscitado preocupações sociais, colocando novos desafios à sociedade portuguesa na sua diversidade.

Comecemos por analisar alguns factos para enquadramento dos problemas e dos caminhos para uma necessária transição. Os impactos das alterações climáticas interferem directamente na nossa relação com a energia. Basta pensar nas ondas de calor e de frio que produzem desconforto térmico e sobretudo riscos para a saúde pública, nos custos da energia implicados na climatização e nos transportes, ou ainda nas dinâmicas de percepção de risco e de ansiedade que tem afectado crescentemente vários sectores da população. Continuar a ler

Adaptation and human development: looking at the climate crisis from the perspective of capabilities

By Carla Gomes

We have got used to seeing human development as some kind of ladder, where gradual improvement in quality of life is the only desirable and reasonable outcome. However, the unprecedented crisis of climate change threatens to hinder longstanding gains in poverty alleviation, health and food security, at worldwide level. The ‘climate emergency’ has a direct impact on the availability of resources, shrinking liveable territory and making it all the more challenging to achieve the Sustainable Development Goals.

Looking at this problem through the lens of capabilities – our opportunities to lead a life we have reason to value – helps to clarify the multiple ways in which climate change hinders human development, or how the ‘blind spots’ of climate-related policies may reinforce existent vulnerabilities. Conversely, it unveils how our personal and social strengths, often less visible, can serve as adaptation capabilities.

Continuar a ler

Uma etnografia da comunidade piscatória de Setúbal: em defesa de uma antropologia de envolvimento

Por Joana Sá Couto

Para a minha dissertação de mestrado, cujo foco foi a relação entre práticas piscatórias e poluição marítima por plásticos, iniciei a minha primeira aventura enquanto antropóloga na comunidade piscatória de Setúbal, marcadamente masculina. Este post tem como objetivo salientar alguns resultados relevantes, assim como ajudar-me a refletir acerca de questões metodológicas e de produção de conhecimento na defesa de uma antropologia de envolvimento. Continuar a ler

O Primeiro Seminário Internacional Ambiente e Sociedade (2020)

Por João Guerra

No rescaldo do VI Congresso Português de Sociologia, realizado em 2008 na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH-UNL), surgiu a ideia de criação de secções temáticas que permitissem estimular atividade relevante nas diversas subáreas da sociologia. Assim, em resultado dessa vontade e em cumprimento do disposto no regulamento sobre a constituição e o funcionamento de Secções Temáticas e Núcleos Regionais da Associação Portuguesa de Sociologia (APS), que entrou em vigor a 13 de fevereiro de 2009, e em consonância com as orientações adotadas internacionalmente por associações congéneres, foi constituída a Secção Temática Ambiente e Sociedade. Continuar a ler

Urbanismo DIY e Right to the Future em Palermo: um livro

Por Simone Tulumello

No âmbito da World Urban Campaign e das atividades da preparação, lançamento e implementação da Nova Agenda Urbana, a ONU-Habitat tem vindo a promover uma série de eventos, chamados Urban Thinker Campus, definidos como “um espaço aberto para uma discussão crítica entre atores urbanos que consideram a urbanização uma oportunidade que pode levar a transformações positivas” (tradução minha do website).

O PUSH., laboratório de design baseado na cidade de Palermo e com larga experiência de projetos sobre mobilidade e fruição do património cultural, organizou já dois Thinker Campus nos últimos anos – o terceiro, Human Flows, dedicado a mobilidade e migração, será também em Palermo, em novembro de 2019. Continuar a ler

O Regresso à Lua e os Desafios Criativos para as Ciências Sociais

Por Mónica Truninger

No ano em que se celebram os 50 anos da ida dos primeiros seres humanos à Lua participei na organização de um workshop interdisciplinar com colegas das ciências sociais e naturais do Reino Unido e da Alemanha, que teve lugar em maio na Universidade de Manchester. Juntaram-se antropólogos, sociólogos, investigadores de ciência e tecnologia, bem como geólogos planetários, astrónomos e astrofísicos para apresentar quinze comunicações em torno do tópico geral A Lua como Ponto de Contacto com Outros Mundos. Continuar a ler

O Estado da Habitação, entre crise e novas políticas

Por Marco Allegra

Como sabemos, a habitação regressou à política, tanto nacional como europeia. Em Portugal, o motor deste debate foi a rápida subida dos preços do imobiliário – um tópico que se tornou incontornável nas conversas dos lisboetas (e não só) nos últimos anos.

Aliás,  nestes anos vimos também várias novidades do ponto de vista legislativo, como a Lei de Base de Habitação e sobretudo a chamada Nova Geração de Políticas de Habitação (NGPH), lançada pelo governo em 2017. A NGPH é o enfoque do dossier “O estado da habitação”, que a equipa do projeto exPERts publicou na revista CIDADES, Comunidades e Territórios. Continuar a ler