Métodos quantitativos para uma análise exploratória de discursos sobre energia

Por Luís Junqueira

A participação nas redes sociais como o Facebook, Twitter e Instagram vem a ganhar uma importância cada vez maior na nossa interação com o mundo: veja-se, por exemplo, o papel do Twitter nas eleições americanas de 2016 ou do Facebook na mobilização para a manifestação “Que se lixe a troika” em 2013. Estas plataformas são cada vez mais espaços onde se estabelecem relações, se expressam representações sociais e se desenvolvem controvérsias. A exploração destas na sua componente relacional foi já referida num post anterior, mas ficou por fazer uma discussão sobre as possibilidades de análise do seu conteúdo. A massificação da internet trouxe também o acesso alargado a bases de documentação digitalizada, das quais as mais proeminentes são as bases de artigos de imprensa, mas que abrangem também debates parlamentares, documentos de políticas públicas, bases de livros ou de artigos científicos, entre outros. Continuar a ler

Anúncios

Comer o mundo – Desafios de sustentabilidade na nossa alimentação

Por João Graça

Muitos alertas e discussões sobre a (in)sustentabilidade dos atuais padrões de produção e consumo humano centram-se em temas como os transportes, a dependência energética de recursos fósseis, e a separação e gestão de resíduos. No entanto, a nossa alimentação, e a produção e o consumo de alimentos de origem animal em particular, têm sido associados a problemas ambientais muito significativos em todas as escalas, que incluem a degradação de terrenos aráveis, alterações climáticas, poluição atmosférica, poluição e destruição de recursos hídricos, e perda de biodiversidade.

Continuar a ler

O acesso ao terreno: dilemas, desafios, estratégias e compromissos

Por Fábio Rafael Augusto

“Sabemos que o terreno de pesquisa […] é muito mais do que um local onde vai ser realizada a observação. Mas também é um local.” (Amante, 2015)

No âmbito do projeto de doutoramento que me encontro a desenvolver no ICS-ULisboa em Sociologia, onde procuro analisar iniciativas de apoio alimentar (IAA) e as dinâmicas relacionais que se estabelecem entre voluntários e beneficiários, tenho vindo a deparar-me, como seria de esperar, com desafios de diversa ordem.

Um desses desafios prende-se com o acesso ao terreno. De forma a chegar às dinâmicas entre os atores supramencionados considerei pertinente partir para a realização de voluntariado nas IAA selecionadas. Desta forma, seria possível – com recurso ao método de observação participante – cumprir os objetivos do projeto e, simultaneamente, dar algo em troca às iniciativas. Continuar a ler

Portugal, o novo Eldorado dos processos participativos?

Por Roberto Falanga

Processos participativos: de onde vêm e para onde vão?

Os novos processos participativos com a sociedade civil têm vindo a representar um fenómeno de destaque em muitas democracias contemporâneas. Experiências pioneiras de orçamento participativo desempenharam um grande papel na replicação à escala global, como demonstram as mais de 2 mil autarquias no mundo empenhadas neste tipo de processo. No Brasil, onde o primeiro orçamento participativo foi realizado pelo município de Porto Alegre nos finais dos anos 80, a Rede de Brasileira de Orçamento Participativo contabilizou 355 processos em curso até 2012, e dados mais recentes confirmam que cerca de mil orçamentos participativos foram implementados até 2016 na América Latina. Em 2018 contam-se cerca de 3500 orçamentos participativos em Europa, seguidos pela Ásia, com cerca de 800, África, com cerca de 350, e Estados Unidos, com cerca de 75. Continuar a ler

Too much of technological optimism, too little of societal transformation. Is this a decisive crossroad for the U.S. on climate?

By Mônica Prado

For three days, I have immersed myself in the climate leadership training in Los Angeles, CA, USA, promoted by Climate Reality Project, a non-profit international organization dedicated to education and advocacy. Now I have a green circular button I can use as a global identification – a symbol that allows me to be named a climate leader and to be part of a global community of more than seventeen thousand people. Mine was the 39th climate leadership training and the largest already within a thread that began with the historical meeting held in 2006 outside of a barn in a farm with no more than twelve people sitting around in wood benches. Al Gore was and still is in command. He is the leader of a crowd in the U.S. eager for transformation, one of its kind, and the tactics of the Climate Reality Project rely on interpersonal communication, innovative technology and business trade. The goal is to create individual and societal support for strengthening the U.S. position as one of the players on the global effort to decarbonize the economy.

Continuar a ler

INFORMALITY IN PRACTICE – n.2

This post is part of a series on informality in practice, to be published at regular interval on the ATS blog.

baltimore-vacants-e1433427503663
Vacant houses, Baltimore (Photo by Flickr user cranky messiah, Creative Commons license)

n.2 

CORNER BOYZ N THE HOOD

Or: tapping into the latent potential of people

Straight from the epic tv series “The Wire”: how do you teach something to West Baltimore’s worst “corner boys”?

Continuar a ler

INFORMALITY IN PRACTICE – n.1

Artesanado de Rua, Empresa Familiar, Cidade dos Mortos, Cairo
Artisan’s workshop, City of the Dead, Cairo (Alessandro Colombo)

n.1

INTRO

This post is part of a series on informality in practice, to be published at regular interval on the ATS blog.

Formally, the series constitutes a theoretically-ambitious attempt at exploring the implications of key insights from practice theory for the realm of urban governance (both analytically and normatively). In methodological terms, the series will implement a heuristic research strategy based (in terms of its epistemological premises) on the potential of bottom-up theorization via case studies research.

Practically, the series will publish short posts telling stories – possibly with short video clips and nice pictures of exotic places. If this thing is going to fly, it will first become something self-sustaining, then a must read for the local community of scholars, then a trail-blazing publication, then an H2020, and finally a hugely popular and critically-acclaimed tv series like Black Mirror – only focusing on the more optimistic side of life.

Continuar a ler