Desafios e oportunidades da política ambiental brasileira

por José Gomes Ferreira

Muito se vai escrever sobre o impacto do novo desenho institucional e as prioridades do novo governo brasileiro em matéria ambiental. Deixando de lado o posicionamento das forças políticas que o lideram, o país tem uma importante herança que reclama avaliação, continuidade e mudança, consoante os casos.

A imensidão do país, com a sua enorme variedade e riqueza em recursos naturais, permite que nele se concentrem: i) a maior biodiversidade de espécies no mundo, estando catalogadas na parte continental mais de 103.870 espécies animais e de 43.020 espécies vegetais, distribuídas por seis biomas: Amazónia, Cerrado, Caatinga, Mata Atlântica, Pantanal e Pampa; ii) 12% da água doce de todo o planeta, que apresenta, contudo, no seu território uma distribuição muito desigual, de tal modo que, segundo a Agência Nacional de Águas, a região Norte concentra 80% do total das reservas de água doce do país e a região Nordeste possui pouco mais de 3%; e iii) uma enorme riqueza mineral e no subsolo, assim como uma costa marinha de 3,5 milhões km². Em termos de água subterrânea, o Brasil partilha com a Argentina, o Paraguai e o Uruguai aquele que é considerado o principal aquífero do mundo, o aquífero Guarani, que possui um volume acumulado de 37.000 km3 e uma área estimada de 1.087.000 Km2.

postjosegomesferreira.jpg
Tradicional casa de taipa com poço para abastecimento de água, Martins, Rio Grande do Norte, Brasil, 2018. Fonte: fotografia do autor.

A manutenção, usufruto e acesso universal a estes e outros recursos naturais, como também a reversão dos danos ambientais, apresentam-se como importantes desafios para este governo e para os que o venham a suceder. Existem igualmente preocupações com o possível aumento de áreas desmatadas, grilagem (apropriação de terras através da falsificação de títulos de propriedade), outros conflitos pela terra e pela água, e com o impacto da questão climática, que já se faz sentir sobretudo através do avanço do mar e da pressão sobre o meio hídrico, que por sua vez está na origem de longos períodos de estiagem em regiões com um histórico de abundância de água. A floresta da Amazónia tem merecido atenção constante da comunidade internacional e de movimentos ambientalistas com atuação global que tentam parar o desmatamento de uma floresta com enorme valor simbólico, avaliada como o principal reduto de biodiversidade do planeta e como lugar sagrado, de cultura e identidade dos povos indígenas que nela habitam.

postjosegomes2.jpg
Obra para conter o avanço do mar em Ponta Negra, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil, 2018. Fonte: fotografia do autor.

No debate interno, por serem sinónimo de garantia de direitos de cidadania, e pela sua urgência, transversalidade e complexidade, regista-se maior pressão no sentido da resolução de problemas como o abastecimento de água, a drenagem e tratamento de esgotos, e a recolha e tratamento de resíduos urbanos. Os dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Básico mostram uma melhoria na prestação destes serviços a partir da Política Nacional de Saneamento Básico, aprovada pela lei federal Nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007, mas subsistem ainda enormes atrasos e importantes desfasamentos no acesso aos serviços. Em 2016 foram atendidos com abastecimento de água tratada 83,3% dos brasileiros, mas tal não significa regularidade no abastecimento ou igual distribuição pelas regiões e dentro destas, a tal ponto que o atendimento nas áreas urbanas serviu praticamente 93% dos residentes. A essa situação adicionam-se enormes perdas na distribuição, que atingem 47,3% no Norte e 46,3% no Nordeste. A situação dos esgotos é ainda mais delicada, uma vez que apenas 51,9% da população tem acesso a drenagem, ou seja, mais de 100 milhões de brasileiros não têm acesso a este serviço, pelo que lançam os esgotos a céu aberto ou nos rios nacionais. Sendo que somente foram tratados 44,9% dos esgotos recolhidos. Daqui resulta um impacto direto quer nos ecossistemas, mas sobre o qual pouco ou nada se sabe por ausência de monitorização da qualidade da água dos rios brasileiros, quer na prevalência de doenças resultantes da falta de saneamento básico e que são uma das principais causas das elevadas taxas de mortalidade infantil no país.

fotoblog josegomes 3.jpg
Parque das Dunas, reserva de Mata Atlântica, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil, 2016. Fonte: fotografia do autor.

Para se enfrentarem estes problemas e se reverter o passivo ambiental, são necessárias mudanças não apenas legislativas e operacionais, mas em relação a um entendimento mais abrangente do conceito de ambiente, que coloque o Brasil no centro da transição social e económica, através da melhoria da qualidade ambiental e social das cidades e áreas rurais. Tal exige dispositivos institucionais ágeis e eficazes, e o enfrentar da informalidade e discricionariedade para que não se repitam casos inconsequentes de contaminação e degradação ambiental, e apostar na sensibilização e envolvimento dos cidadãos, de modo a que também eles, e os setores produtivos, sejam agentes de mudança.

Entre as inquietações, destacam-se o avanço do agronegócio com uso intensivo de água e pesticidas, o desmatamento e ocupação de áreas tradicionais, mas também o receio de reversão do controlo e participação social. Ainda assim, nem tudo se deve dar como perdido, pois nem toda a produção poderá avançar tal como se perspetiva, na medida em que os principais países importadores, sobretudo os da União Europeia e os Estados Unidos, possuem procedimentos de regulação através das respetivas agências de segurança alimentar que não facilitam a entrada de produtos com potencial tóxico que exceda os valores de referência acima do padrão estabelecido. Os próprios consumidores, existindo rotulagem indicativa da origem, podem exercer o seu direito de opção. Acredito que alguns empresários vão optar pela autorregulação a pensar na venda dos seus produtos no estrangeiro.

Paralelamente às questões identificadas, um dos principais problemas ambientais é o de governança, que esbarra com uma tradição centralizadora e verticalizada das políticas públicas e com um movimento ambientalista muito fragmentado, geralmente monotemático e sem cobertura nacional. A estas tendências adicionam-se questões de transparência e permissividade e o caráter facultativo de algumas ações. Sem uma reforma do pacto federativo que atribua mais competências e meios aos municípios e aos estados, e que os coloque a trabalhar em sintonia, com rotinas de acompanhamento das ações e envolvimento ativo das comunidades, os investimentos são feitos mas a efetividade das políticas é reduzida.

Principais desafios à política ambiental brasileira

Assim, são seis os principais desafios que se colocam à política ambiental brasileira de hoje e da próxima década:

  • Visão inovadora e abrangente sobre o que é ambiente e como integrar os valores ambientais na economia de transição, de modo a registar menor impacto ambiental, mais desenvolvimento e maior compromisso com as comunidades e com a natureza.
  • Monitorização e avaliação das políticas ambientais, procurando o envolvimento de todos os setores e saberes na resolução dos problemas.
  • Resolução do passivo ambiental, com vista à melhoria da qualidade de vida e à redução de riscos e danos ambientais.
  • Priorização da aplicação dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e da sua centralidade na redução de desigualdades sociais e ambientais.
  • Promoção da educação ambiental e da sua vocação como motor de mudança de práticas dos cidadãos e de melhoria da eficácia e eficiência das políticas públicas.
  • Valorização da diversidade dos biomas e do papel das comunidades tradicionais como elementos de identidade cultural do país, colocando-o na liderança dos compromissos internacionais.

A mudança de ciclo político anuncia medidas que geram apreensão quanto ao seu contributo para melhorar a articulação das instituições públicas e destas com os entes participativos, no que podem levar ao aumento da desconfiança dos cidadãos e o eclodir de situações de conflito. O Brasil deve avaliar se deseja um modelo produtivo baseado na exportação das chamadas commodities (mercadorias não transformadas) ou se estrategicamente pretende transitar para um modelo produtivo socioambientalmente mais justo e equilibrado, que coloque o país na liderança da inovação em produtos da natureza e reforce a coesão social e territorial através de produtos com identificação de origem local e regional.

Não se podem repetir tragédias como as registadas nas barragens de lamas contaminadas da indústria mineira de Brumadinho, ocorrido a 25 de Janeiro de 2019, e Mariana, a 5 de novembro de 2015 (ambas no estado de Minas Gerais). Não só pela dor e destruição que deixam, mas pela inoperância das instituições e pela existência de territórios e práticas nebulosas, com caixas negras que impedem a existência de fluxos comunicativos e a atribuição de culpa em casos de crime ambiental. Ou se melhoram e executam as políticas, envolvendo empresas e populações em processos de governança transparentes e participativos, e se dá sequência às infrações ambientais, ou, como se diz em Portugal, “a culpa irá morrer solteira”.


José Gomes Ferreira é professor visitante no Departamento de Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil.

Comentar / Leave a Reply

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s