Thinking about the Future

By Andy Inch

This piece was first produced for a seminar held at ICS in July, 2017. A fully referenced version was published as part of a ‘position paper’ on the website of the INTREPID Cost-Action here.

 At this rate, we’ll never get to the future.

(Chuck Palahniuk, Invisible Monsters, 40)

Recent years have seen a resurgence of interest in getting to the future.

The existential threat posed by ecological crises and the logical impossibility of indefinite growth on a finite planet has, for example, generated a profound sense of urgency. As Bruno Latour has argued, time is running out to take action. However, its normal flow also seems to have been reversed. Innumerable threats now seem to stream back towards the present from a damaged future that we are responsible for creating yet seem incapable of avoiding.  Continuar a ler

Anúncios

A “possibilidade” de umas ciências sociais “úteis”

Este é o segundo post da série “A utilidade das Ciência Sociais

Por Simone Tulumello

Este texto é uma resposta ao estimulante post de Andy Inch, no qual ele questiona a “utilidade” das ciências sociais. A minha intenção é sugerir uma possível pista para essa utilidade – uma utilidade, diga-se desde já, radicalmente oposta às dinâmicas da academia criticadas por Andy. Para tal, vou partilhar algumas reflexões sobre os conceitos de “probabilidade” e de “possibilidade”, e sobre o seu significado em relação à construção do futuro – reflexões que provêm, embora de forma bastante livre, do meu interesse sobre o desenvolvimento (e “subdesenvolvimento”) do Mezzogiorno de Itália.

possibilidade_imagem
“Por aí é o caminho”. Autor: Simone Tulumello (2012).

Continuar a ler

Novas Agendas Urbanas

Autor: João Ferrão

Um estudo recente estimou que cerca de 60% da população europeia e 80% dos residentes dos EUA não conseguem ver a via láctea durante a noite devido ao brilho das luzes das cidades. Este é apenas um indicador de como a crescente urbanização do planeta Terra afeta a nossa relação com a natureza. É certo que esta se encarrega, por vezes, de nos recordar que continuamos dependentes dela: foi o caso da erupção de 2010 do vulcão Eyjafjallajökull, ocorrida na Islândia mas cujas cinzas levadas para leste pelos ventos impediram o tráfego aéreo em diversos países da Europa e atingiram regiões tão longínquas como a Rússia asiática e o Próximo Oriente. Mas estes fenómenos, como os tremores de terra, são pontuais e não raro relativamente previsíveis. É o homem, e não a natureza, quem está a desequilibrar a relação entre ambos. Os vários alertas vermelhos emitidos nos últimos anos em Pequim por excesso de poluição, por vezes acompanhados por ordens de suspensão parcial da circulação automóvel e do funcionamento de empresas e de escolas, são um exemplo desse desequilíbrio que tem vindo a acentuar-se perigosamente.

Área afetada pelas cinzas da erupção de 2010 do vulcão Eyjafjallajökull (Islândia)

ferrao1.pngFonte: https://commons.wikimedia.org/ (CC BY-SA 3.0)

Continuar a ler