Recursos de ciências sociais na web: Redes Sociais

Autor: Luís Junqueira

Ao longo dos últimos anos, aplicações como o facebook ou linkedin contribuíram para popularizar o conceito de rede social. No entanto, no contexto das ciências sociais a ideia de rede social tem um significado mais abrangente. As redes sociais são um método de representar e organizar dados que pode ser utilizado para estudar uma grande diversidade de fenómenos sociais. Este texto tem o objetivo de servir como uma muito breve introdução ao uso de métodos baseados em redes nas ciências sociais e de apresentação de alguns recursos online para recolher e trabalhar em redes sociais.

O uso de redes como suporte de dados não é obviamente apropriado a todas as situações em ciências sociais. Mas nas situações em que é possível e desejável obter informação sobre as ligações entre os atores sociais envolvidos, o uso de redes apresenta alguns benefícios:

  • Simplifica a visualização de dados complexos. A disponibilidade de ferramentas que permitem manipular a representação de redes através de ajustamentos da posição, cor ou forma dos vértices e arestas facilitam a visibilidade dos elementos considerados relevantes, mesmo em redes densas ou de grande dimensão.
  • Permite que se alterne facilmente entre várias escalas. É possível passar de uma análise dos aspetos estruturais da totalidade da rede para uma análise de partes da mesma (em última instância até aos elementos individuais) mantendo uma ligação entre várias escalas.
  • Para todos os efeitos, uma rede é uma estrutura de dados. Os vértices e as ligações podem conter variáveis semelhantes às usadas habitualmente em trabalhos quantitativos em ciências sociais (género, idade, escolaridade, etc.) e que podem ser integradas na análise.
  • Graças à popularidade das plataformas associadas ao que é frequentemente denominado Web 2.0, assentes em práticas de maior interação e de participação dos utilizadores na produção de conteúdos, estão disponíveis novas fontes de dados que podem ser facilmente estruturados como redes. Análises baseadas em dados do twitter, facebook, wikipedia, etc. tornaram-se populares em algumas áreas das ciências sociais.

Uma rede é essencialmente constituída por:

  • Um conjunto de objetos, denominados nós ou vértices;
  • Um conjunto de objetos, chamados ligações ou arestas, que ligam pares de nós/vértices entre si.

Os websites de redes sociais, como o facebook, são bastante ilustrativos da forma usual de organizar dados sociais como redes. Os vértices são usados para representar atores sociais que podem ser não apenas indivíduos mas também organizações, associações ou empresas. As arestas são então usadas para representar ligações sociais entre estes atores. As ligações podem assumir diversos significados, desde relações formais a contactos de natureza informal. A tabela seguinte apresenta alguns exemplos de sentidos que podem ser atribuídos às arestas de uma rede social.

Tabela 1 – Uma tipologia de ligações em redes sociais.

Similaridades Relações sociais Interações Fluxos
Proximidade geográfica Parentesco Colaboração Informação
Pertença à mesma organização Conhecimento Entreajuda Valores
Frequência do mesmo evento Profissional Oposição Pessoas
Partilha de um atributo Amizade  Concorrência Recursos

Traduzido com modificações de Borgatti, S. et all. 2009. Network Analysis in the Social Sciences. Science, 323, 892-896

Figura 1 – Exemplo de rede social. Os vértices representam o país de origem de investigadores que colaboram com investigadores portugueses na área das energias renováveis. As arestas representam a frequência da participação conjunta de investigadores desses países nas colaborações com investigadores portugueses.

Figura 1 luís junqueira.png

Fonte: Thomson Reuters Web of Science, acedido em 24/05/2015

É também possível usar redes com o objetivo de mapear elementos de discurso tomando como base um corpo de textos sobre um determinado assunto, como, por exemplo, legislação, discursos políticos, artigos de imprensa escrita ou posts de blogues. Nestes casos, as palavras/conceitos mais frequentes são utilizadas como vértices de uma rede e a sua coocorrência – a ocorrência mútua de duas palavras num mesmo texto – é sinalizada através de uma aresta. As figuras criadas permitem visualizar facilmente os termos que surgem frequentemente associados num corpo de texto de grande dimensão.

Figura 2 – Exemplo de uma rede de palavras. Neste caso foram usadas as palavras-chave associadas a artigos científicos. As arestas representam a frequência de coocorrência das palavras-chave num mesmo artigo.

Figura luís junqueira.png

Fonte: Thomson Reuters Web of Science, acedido em 24/05/2015

Para concluir, deixo uma breve descrição de alguns recursos que permitem trabalhar redes sociais. As ferramentas apresentadas em seguida são gratuitas e acessíveis a qualquer utilizador habitual de software de produtividade, especialmente se familiarizado com folhas de cálculo ou bases de dados. O mesmo se aplica às fontes de dados na tabela seguinte. Infelizmente, dada a relativa facilidade de acesso aos dados dos sites de media social, estes acabam por compor grande parte da oferta dos repositórios, o que condiciona um pouco a diversidade de dados disponíveis.

 

Ferramentas

Gephi

É uma das aplicações mais populares para representar e analisar redes. O formato de ficheiro do Gephi (.gefx) é frequentemente utilizado para partilhar dados. É bastante intuitivo de usar, disponibiliza muitas opções para a visualização de redes e permite calcular as principais métricas.

NodeXL 

Tem a vantagem de ser uma extensão do Microsoft Excel e beneficia da familiaridade do interface. Inclui funções de cálculo das métricas mais populares e de representação das redes. Disponibiliza também algumas funções de importação de redes sociais online.

Tabletonetwork 

Pequena aplicação do MediaLab da Science Po que permite produzir um ficheiro de rede (formato .gefx) a partir de um ficheiro de tabela (formato .csv separado por ‘,’). Este ficheiro pode depois ser trabalhado em Gephi ou NodeXL.

 

Bases de dados  
SNAP – Repositório de redes da Universidade de Stanford  Disponibiliza conjuntos de dados de vários sites de redes sociais e outras redes baseadas em informação recolhida da internet.
Repositório de redes da Universidade do Arizona  Disponibiliza conjuntos de dados de vários sites de redes sociais.
Network Repository  Repositório interativo de dados de redes criado por investigadores ligados à Universidade Purdue, E.U.A.. Os conjuntos de dados podem ser descarregados ou visualizados diretamente no site.
Koblenz Network Collection Repositório da Universidade de Koblenz-Landau, Alemanha. Coleção de redes sociais de várias origens.
Using Twitter as a data source  Texto de Wasim Ahmed no blogue da London School of Economics and Political Science. Contém informação sobre alguns recursos que permitem extrair dados de sites de redes sociais.
Issuecrawler  Produz uma rede de websites ligados por hyperlinks a partir de uma ‘semente’ constituída por um ou mais endereços de sites fornecidos pelo utilizador.

 

Luís Junqueira é aluno do Programa de Doutoramento em Sociologia do ICS ULisboa.

Anúncios

Comentar / Leave a Reply

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s