Pensamento contraintuitivo em ciência: a propósito de um livro de um historiador-antropólogo que analisa a política a partir da geografia

Por João Ferrão

Olhando por um telescópio ou por um microscópio vemos realidades distintas (uma galáxia e uma célula, por exemplo) ou diferentes facetas de uma mesma realidade? O mesmo se poderá perguntar em relação aos vários instrumentos com um alcance de visão e um poder de resolução entre esses dois extremos, como os satélites de recolha de imagens, os binóculos, o olho humano, as lupas ou as objetivas de máquinas fotográficas. Talvez a resposta mais simples seja dizer que vemos realidades distintas se as consideramos de modo isolado, mas componentes de uma mesma totalidade se interpretadas de uma forma relacional e multiescalar.

Qual é a pergunta equivalente para os cientistas sociais? Não temos telescópios, mas produzimos metateorias. Não recorremos a microscópios, mas desenvolvemos trabalhos a uma escala micro: indivíduos, objetos, espaços de uma habitação, etc. E também podemos usar instrumentos intermédios, desde as teorias de médio alcance aos estudos de caso do mais diverso tipo. Continuar a ler