Visualização de dados nas ciências sociais

Por Luís Junqueira

A visualização de dados é um tema que tem vindo a despertar o meu interesse ao longo da minha (ainda breve) carreira. A necessidade de representar as complexas teias de relações entre indivíduos, instituições, lugares, objetos, textos, etc. que compõem as dinâmicas sociais que estudamos fica frequentemente limitada pela nossa capacidade de as representar de forma clara e eficiente através de palavras e números.

As técnicas de visualização de dados foram um elemento importante ao longo da história da prática científica, não apenas como ilustração/representação de dados, mas como parte integrante do processo da sua interpretação. Ao trabalhar com dados quantitativos, as representações numéricas implicam frequentemente uma perda de informação ou uma visualização pouco intuitiva. A visualização através de gráficos, mapas e diagramas permite criar sínteses de grandes quantidades de informação com imenso valor para guiar, interpretar e validar o trabalho de análise estatística dos dados.

No entanto, durante grande parte do século XX a representação gráfica de dados não teve a atenção merecida por parte das ciências sociais. Após a segunda metade do século XIX, que Michael Friendly chama a Era Dourada dos gráficos estatísticos – deixo alguns exemplos interessantes de infografias do século XIX, segue-se um período marcado pela emergência das técnicas modernas de análise de dados baseadas em amostragens e testes de hipóteses estatísticas.  A introdução destas técnicas transformou as práticas científicas assentes na análise de dados quantitativos, cuja interpretação passa a ser em grande medida mediada por conjunto limitado de parâmetros estatísticos, em particular a significância, descurando a visualização dos dados como parte desta interpretação.

Continuar a ler

Anúncios